Casca De Noz

 

 

Não te quero pelo e-mail [Prefiro por inteiro]

Este céu que nos protege
É o mesmo que nos separa
O que a tecnologia faz
O coração não sente

Os emoticons te consomem
Os bytes não mentem
O amor que te acesse
Ter um caso ao acaso é irreal

Quem tem
Um estabilizador de emoções
Que traga o que está certo pra nós dois ou não
Que não faça o scanner nos sacanear
Que faça a tua imagem

A tela que você prefere
É a mesma que te mascara
O que as digitais te dizem
Não se sabe se é puro amor

A procura não tem cura
Nessa sala que te enjaula
love chat o amor chato gasto tempo
troco papo achei algo mas não me acho

Quem tem
Um estabilizador de emoções
Que traga o que está certo pra nós dois ou não
Que não deixe o romance ficar no ar
Que te faça ser real

 

Samba Sambo

Todo samba nasce mirradinho, a carne é fraca, a comida é pouca
todo peixe morre pela boca
Quando o Brasil era o país do futebol
tinha bamba, mulata e malandro
fizesse chuva ou fizesse sol
Mas agora uma tal de cultura gringa vingou
e é um tal de country, reggae, funk, dance e rock’n roll

Hoje em dia ninguém mais se espanta
É no morro que morre o samba

Aquela nega linda, hoje virou tchutchuca
Come big mac em vez de leitão à pururuca
E o malandro quase honesto
hoje virou tigrão,
e em vez de samba de roda prefere passar cerol na mão
A Amélia, a Tereza, a Florisbela vejam só
Tudo se resume a egüinha pocotó
O requebrado da mulata,
ou o trem de Jaçanã
Hoje bonde ou senão, segura o tchan

Hoje em dia ninguém mais se espanta
É no morro que morre o samba

Como o elefante que vai morrer onde nasceu
o pagode multimídia vai na onda do Orfeu
“Meu caro amigo me perdoe por favor,
mas o que eu quero é lhe dizer”
é que esse samba não vingou

Hoje em dia ninguém mais se espanta
É no morro que morre o samba

 téo ruiz y estrela ruiz leminski

grama verde

a flor seca

é a estrela

Cupido: cuspido, escarrado

estrela

ameop editora

brasil

Anuncios

Acerca de pacha creaciones nómadas

Una mujer y otras tantas más, artesana, madre, abuela, licenciada en letras y literatura española, una libertaria feminista en permanente revolución...
Esta entrada fue publicada en Uncategorized. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s