Archivo mensual: junio 2006

“…¿Y quién no tiene un amor?¿Y quién no goza entre amapolas?…”

  "A letra de Alejandra era pequenina,como um caminho de formigas ou um minúsculo colar de grãos de areia. Mas esse fio, com toda a sua leveza, não se apagará nunca, pois é um dos fios usados para entrar e … Seguir leyendo

Publicado en arte, cultura y lazer | 1 Comentario

Oh sim eu estou tão cansado…mas não pra dizer

CANTO DE SEREIA …(Primeiro Movimento)…Tapar os ouvidos com cera ou chumbo derretido.Construir uma fortaleza de aço blindado em volta de si.O próprio corpo produzir uma resina que feche os poros,como o própolis faz nas fendas dos favos de mel.… (Segundo … Seguir leyendo

Publicado en arte, cultura y lazer | Deja un comentario

Sometimes So Ambiguous

ENCONTRADO MAIS UMA VEZ IGNORANDO OSTENSIVAMENTE OS CISNES … Encontrado mais uma vez ignorando ostensivamente os cisnes que apaixonam os espectadores das margens dos rios americanos; encontrado mais uma vez a caducar o negócio da china só porque o telefone … Seguir leyendo

Publicado en arte, cultura y lazer | Deja un comentario

Desconocimos Los Desígnios Del Universo, Pero Sabemos Que Raciocinar Con Lucidez y Reaccionar Con Justicia Puede Ayudar a Esos Desígnios

Ausência(ou da premonição,vista de sete andares acima do solo)   Habré de levantar la vasta vidaque aún ahora es tu espejo:cada mañana habré de reconstruirla. Desde que te alejaste,cuántos lugares se han tornado vanosy sin sentido, igualesa luces en el … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Deja un comentario

”Quando o processo histórico se interrompe… quando a necessidade se associa ao horror e a liberdade ao tédio, a hora é boa para se abrir um bar.”

  Ah, diz-me a verdade acerca do amor   Há quem diga que o amor é um rapazinho,E quem diga que ele é um pássaro;Há quem diga que faz o mundo girar,E quem diga que é um absurdo,E quando perguntei … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Deja un comentario

Em Viagem Pela Grécia Antiga

Para Átis Nossa amada Anactória está morando,ó Átis, na longínqua Sárdis,mas sempre volta o pensamento para cá,lembrando como antes nós vivíamos,ela a julgar-te alguma deusae teu canto a causar-lhe puro enlevo.Ela resplandece agora em meio às lídias,como depois de o … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Deja un comentario