Em Viagem Pela Grécia Antiga

Para Átis
Nossa amada Anactória está morando,
ó Átis, na longínqua Sárdis,
mas sempre volta o pensamento para cá,
lembrando como antes nós vivíamos,
ela a julgar-te alguma deusa
e teu canto a causar-lhe puro enlevo.
Ela resplandece agora em meio às lídias,
como depois de o sol se pôr
brilha a lua dos dedos como rosas
no meio das estrelas que a rodeiam,
e então derrama a sua luz
no mar salgado e no florido campo,
enquanto o orvalho paira pela relva
e tomam novo alento as rosas,
o suave cerefólio e o trevo em flor
************
 
Hino a Afrodite
(único poema, escrito por Sappho de Lesbos, encontrado na íntegra)
 
Em trono de cores brilhas, Afrodite Imortal!
Filha de Zeus, ó tecelã de tramas eu te suplico: não
dobres a dores e mágoas, ó soberana, meu coração;
mas vem até mim, se jamais no passado ao longe ouviste meu grito, e atendeste, e do teu pai o palácio
deixando, de ouro, vieste no carr atrelado: belos
pardais velozes te levaram pela terra sombria,
asas rápidas, turbilhonantes, dos altos céus, através
dos ares, e prontamente chegara;
e tu, Bem-aventurada, com um sorriso no teu rosto
imortal, perguntaste por que eu sorria de novo,
e por que de novo eu suplicava, e o que eu mais queria, na loucura do coração, conseguir.
Quem de novo deve trazer a Persuasia para teu amor?
Quem, ó Psappho, te contraria?
Ela, que foge, em breve perseguirá: se presentes não
aceitas, presentes ofertará; ela, que não ama, em breve amará, mesmo não querendo.
Agora! Outra vez vem até mim, livra-me.
Quando eu te Vejo
Quando eu te vejo, penso que jamais
Hermíone foi tua semelhante;
que justo é comparar-te à loura Helena,
não a qualquer mortal;
oh eu farei à tua formosura
o sacrifício dos meus pensamentos,
todos eles, eu digo, e adorarte-ei
com tudo quanto eu sinto.  
 
************ 

O Amor

 
O Amor agita meu espírito
como se fosse um vendaval
a desabar sobre os carvalhos.
************
 
As Rosas de Piéria
 
E morta jazerás: de ti
não restará lembrança, em tempo algum,
nem mesmo compaixão jamais despertarás:
nas rosas de Piéria não tiveste parte.
Desconhecida até na casa de Hades,
errante esvoaçarás em meio a obscuros mortos.
************
A Lua já se Pôs
 
A lua já se pôs,
as Plêiades também:
meia-noite; foge o tempo,
e estou deitada sozinha.
***************
 
Para Mnesídice
 
Com as meigas mãos, ó Dice,
trança ramos de aneto,
e põe essa coroa
em teus cabelos:
fogem as Graças
de quem não tem grinalda,
mas felizes acolhem
quem se enfeita de flores.
**************
Como a Doce Maçã
 
Como a doce maçã que rubra, muito rubra,
lá em cima, no alto do mais alto ramo
os colhedores esqueceram; não,
não esqueceram, não puderam atingir.
***********
Palavras de Alceu a Safo
 
Ó cheia de pureza,
ó Safo coroada de violetas
que docemente ris:
eu te diria de bom grado certa coisa,
se não fosse a vergonha que me impede.
*************
Resposta de Safo a Alceu
 
Se quisesses tão só o bom e o belo,
se em tua boca más palavras não tramasses,
não haveria essa vergonha nos teus olhos
e poderias exprimir-te francamente.
Sappho de Lesbos
poetisa y professora grega
 
Anuncios

Acerca de pacha creaciones nómadas

Una mujer y otras tantas más, artesana, madre, abuela, licenciada en letras y literatura española, una libertaria feminista en permanente revolución...
Esta entrada fue publicada en Uncategorized. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s