Poemando

DISPERSÃO

 

Perdi-me dentro de mim

Porque eu era labirinto,

E hoje, quando me sinto,

É com saudades de mim.

 

Passei pela minha vida

Um astro doido a sonhar.

Na ânsia de ultrapassar,

Nem dei pela minha vida…

Para mim é sempre ontem,

Não tenho amanhã nem hoje:

O tempo que aos outros foge

Cai sobre mim feito ontem.

 

(O Domingo de Paris

Lembra-me o desaparecido

Que sentia comovido

Os Domingos de Paris:

 

Porque um domingo é família,

É bem-estar, é singeleza,

E os que olham a beleza

Não têm bem-estar nem família).

 

O pobre moço das ânsias…

u, sim, tu eras alguém!

E foi por isso também

Que te abismaste nas ânsias.

 

A grande ave dourada

Bateu asas para os céus,

Mas fechou-as saciada

Ao ver que ganhava os céus.

 

Como se chora um amante,

Assim me choro a mim mesmo:

Eu fui amante inconstante

Que se traiu a si mesmo.

 

Não sinto o espaço que encerro

Nem as linhas que projeto:

Se me olho a um espelho, erro —

Não me acho no que projeto.

 

Regresso dentro de mim

Mas nada me fala, nada!

Tenho a alma amortalhada,

Sequinha, dentro de mim.

 

Não perdi a minha alma,

Fiquei com ela, perdida. 

Assim eu choro, da vida,

A morte da minha alma.

 

Saudosamente recordo

Uma gentil companheira

Que na minha vida inteira

Eu nunca vi… Mas recordo

 

A sua boca doirada

E o seu corpo esmaecido,

Em um hálito perdido

Que vem na tarde doirada.

 

(As minhas grandes saudades

São do que nunca enlacei. 

Ai, como eu tenho saudades

Dos sonhos que não sonhei!…

 

E sinto que a minha morte —

Minha dispersão total —

Existe lá longe, ao norte,

Numa grande capital.

 

Vejo o meu último dia

Pintado em rolos de fumo,

E todo azul-de-agonia

Em sombra e além me sumo.

 

Ternura feita saudade,

Eu beijo as minhas mãos brancas…

Sou amor e piedade

Em face dessas mãos brancas…

 

Tristes mãos longas e lindas

Que eram feitas Pra se dar

Ninguém mas quis apertar

Tristes mãos longas e lindas

 

Eu tenho pena de mim,

Pobre menino ideal…

Que me faltou afinal?

Um elo?  UM rastro?… Ai de mim!,..

 

Desceu-me na alma o crepúsculo;

Eu fui alguém que passou.

Serei, mas já não me sou;

Não vivo, durmo o crepúsculo.

 

Álcool dum sono outonal

Me penetrou vagamente

A difundir-me dormente

Em urna bruma outonal.

 

Perdi a morte e a vida,

E, louco, não enlouqueço…

A hora foge vivida,

Eu sigo-a, mas permaneço,..

…………………………….

Castelos desmantelados,

Leões alados sem juba

………………………………..

Paris, maio, 1913
Mario de Sá Carneiro

poeta português 
1890-1916

 
 
Anuncios

Acerca de pacha creaciones nómadas

Una mujer y otras tantas más, artesana, madre, abuela, licenciada en letras y literatura española, una libertaria feminista en permanente revolución...
Esta entrada fue publicada en Uncategorized. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s