Alma & Amor

EROS & PSIQUÉ
 
        Psiqué ( a Alma) era uma das três filhas de um rei, todas belíssimas e capazes de despertar tanta admiração que muitos vinham de longe apenas para vê-las. Alvos de tanta atenção, logo as duas irmãs de Psiqué se casaram. Ela, no entanto, sendo ainda mais bela que as irmãs, além de extremamente graciosa, não conseguia um marido para si, pois todos temiam tamanha beleza.
        Desorientados, os pais de Psiqué buscaram ajuda através de um oráculo, que os instruiu a vestirem Psiqué com as roupas destinadas a seu casamento, e deixa-la no alto de um rochedo, onde um monstro horrível viria busca-la.
        Mesmo sentindo-se pesarosos pelo destino da filha, os pais de Psiqué seguiram as instruções recebidas, conduzindo-a para o alto da montanha, onde a deixaram. Logo após, começou soprar um vento muito forte, e Psiqué foi carregada pelos ares, sendo depositada, depois de algum tempo no fundo de um vale. Exausta, Psiqué adormeceu profundamente. Quando acordou viu-se em frente a um palácio de ouro e mármore. Entrou, e ficou maravilhada com tudo que viu. As portas abriam-se para ela e vozes sussuravam-lhe tudo que queria e precisava saber, apresentando-se como escravas que ali estavam para servi-la. Ao anoitecer Psiqué sentiu junto de si uma presença, que só podia ser, e era, o esposo de que falava o oráculo. Este lhe explicou quem era, mas advertiu-a de que jamais poderia vê-lo, pois isso significaria perdê-lo para sempre.
        Assim passou a decorrer a vida de Psiqué. Ficava só durante o dia, ouvindo aquelas vozes que a serviam; à noite tinha a companhia do esposo, que se revelara extremamente terno e carinhoso. Era feliz, muito feliz.
        Depois de algum tempo, no entanto, apesar de toda a sua felicidade, Psiqué começou a sentir saudades de seus pais e de sua família. Pediu permissão a seu esposo para visitá-los, persistindo em seu intento apesar das advertências de que essa viagem poderia ter péssimas conseqüências. Vencido pelas súplicas de Psiqué, seu marido concordou com a sua visita à família, e o mesmo vento que a trouxera transportou-a de volta para casa de seus pais.
        Levou consigo riquíssimos presentes, e foi recebida com enorme alegria por todos. Suas irmãs também vieram vê-la e, constataram com enorme inveja o quando ela era feliz. Psiqué havia contado a elas que ainda não havia tido a oportunidade de ver seu esposo e sobre as advertências que ele lhe fizera caso tentasse vê-lo. Ciumentas, as duas irmãs convenceram Psiqué de que ela deveria vê-lo para completar sua felicidade. Seguindo a idéia que lhe haviam sugerido, Psiqué, à noite, após voltar para seu palácio, tendo seu esposo adormecido ao lado, acendeu uma luz para vê-lo, e ficou maravilhada com o adolescente que ali estava, tão belo quanto ela. Enternecida e comovida com a agradável surpresa, Psiqué esqueceu-se que tinha uma lanterna na mão, e uma gota de azeite quente pingou na mão de Eros (o Amor). Pois este acordou com o calor do azeite e, cumprindo as ameaças que fizera, fugiu para não mais voltar.
        Eros era o deus do Amor, nascido ao mesmo tempo que a Terra, gerado a partir do caos primitivo, sendo uma das força fundamentais do mundo; filho de Hermes e Afrodite, Eros é representado como uma criança ou como um adolescente nu, com olhos vendados, sempre acompanhado de sua flechas, utilizadas para atingir os corações dos seres humanos, inflamando-os e zombando das conseqüências de seus ataques. Eros assegura não apenas a continuidade das espécies, mas também a coesão interna do Cosmos, representando o centro unificador.
        Abandonada por Eros, o Amor, sentindo-se só e infeliz, Psiqué, a Alma, passou a vagar pelo mundo, perseguida por Afrodite, que invejava sua beleza. Ninguém se atrevia a acolhe-la, e Afrodite acabou  por aprisioná-la, encarregando-a de tarefas penosas e perigosas.
        Numa dessas missões, Psiqué teve de descer aos infernos e roubar de Perséfone um frasco cheio de água retirada da fonte da juventude eterna. As instruções de Afrodite eram claras: Psiqué deveria trazer o frasco intacto, sem abri-lo. Mas Psiqué desobedeceu e abriu o frasco, imediatamente caindo num sono profundo.
        Enquanto isso acontecia, Eros, o Amor, estava desesperado, pois não conseguia esquecer Psiqué. Depois de algum tempo de busca encontrou-a naquele estado, e para acordá-la teve de usar a ponta de uma de suas flechas.
        Em seguida Eros regressou ao Olimpo e solicitou a permissão de Zeus para se casar com a mortal Psiqué. Zeus aprovou o casamento, e ordenou a Afrodite que se reconciliasse com Psiqué.
        Depois de unidos pelo Amor divinizado, Eros e Psiqué, ou seja, o Amor e a Alma, não mais tiveram presença física, embora permaneçam juntos por toda a eternidade.
 
Anuncios

Acerca de pacha creaciones nómadas

Una mujer y otras tantas más, artesana, madre, abuela, licenciada en letras y literatura española, una libertaria feminista en permanente revolución...
Esta entrada fue publicada en Uncategorized. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s